Publicidade

Notícias

Especialista fala sobre a importância de manter a qualidade de vida

Saúde


Hoje em dia, falar em qualidade de vida está relacionado a manter bons hábitos e evitar o estresse do dia a dia. As pessoas vivem muito fora de casa, envolvidas em suas profissões, em aparelhos eletrônicos e muito pouco, tinham tempo de estar com a família. Alguns especialistas dizem que esses hábitos mudaram muito com a pandemia, pois as pessoas passaram a dar importância ao estar com os seus familiares e às atividades físicas e mentais. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) saúde é “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”.

De acordo com a médica acupunturista Manuela Tatsuko Satake, membro da Associação Brusquense de Medicina – ABM e concluinte da pós-graduação em Longevidade da Sociedade Brasileira para Estudos da Fisiologia, ao contrário do que muitos pensam, ter saúde não é somente não estar doente. “Ao buscarmos uma melhor qualidade de vida, estamos buscando a saúde no seu mais amplo sentido de saúde física - ausência de doença; boa saúde mental, com bom controle da ansiedade, depressão, etc e um bom relacionamento com familiares, amigos, na escola e no trabalho.

Quando começamos a faltar essa qualidade em nossas vidas, o corpo mostra alguns sintomas. Um dos primeiros sinais normalmente é uma fadiga, cansaço extremo e dificuldade de acordar pela manhã, por exemplo. Com o tempo vão aparecendo doenças físicas como diabetes, pressão alta, ansiedade e até câncer. Segundo a médica, acredita-se que hoje, em torno de 90% dos cânceres são causados por maus hábitos de vida e fatores ambientais.



Além disso, o estresse e a ansiedade também são exemplos de problemas causados pela falta de qualidade de vida.

“Na verdade o estresse, a irritabilidade é consequência dos maus hábitos de vida. Quando se tem uma boa qualidade de vida, os problemas, os desafios do dia a dia se tornam mais administráveis porque a pessoa estará mais tranquila, serena e saudável para enfrentá-los. É importante saber ainda que, a ansiedade faz parte do nosso instinto de defesa. Ter uma ansiedade leve, que não atrapalhe no dia a dia é saudável e protetora para não nos machucarmos. O que não podemos ter é a ansiedade extrema que nos impossibilita de ter um convívio social, de realizar algum sonho ou até mesmo sair de casa para trabalhar”, explica a especialista.

Ainda de acordo com médica, durante a pandemia vimos duas situações diferentes, com registro de pessoas que ficaram mais sedentárias, passaram a comer pior - com muita comida de delivery, como lanches -, e aquelas que, devido ao isolamento e o medo da morte, passaram a ter ansiedade, depressão e fobia social. Porém, neste mesmo contexto, vimos pessoas que passaram a ter mais convívio com a família, fazendo as refeições juntos e tendo mais contato com a natureza.

DICAS DE QUALIDADE DE VIDA

Quando falamos em qualidade de vida, pensamos em prevenção, hábitos e estilo de vida. Desta maneira, é importante seguir algumas dicas, tais como fazer check-ups regularmente, como papanicolau, exame da próstata, mamografia, exames laboratoriais, exames cardiológicos; praticar atividade física regularmente que seja a mais adequada para cada um e que traga prazer ao realizar; ter uma alimentação rica em nutrientes, ingerindo menos carboidratos (farinhas) e açúcares, comer pelo menos três tipos diferentes de frutas por dia (se não for diabético), optar por proteínas mais magras como leguminosas, ovos, peixe, frango, carne vermelha do tipo patinho, alcatra sem gordura ou mignon; tomar pelo menos 2 litros de água por dia; eliminar os maus hábitos do tipo cigarro, drogas e álcool, ter uma boa qualidade do sono e para melhorar a saúde mental, fazer leituras, meditação, terapias, ter hobbies, cultivar a autoestima e manter as finanças em ordem. Já com relação ao bem estar social, a dica é aquele lanche/almoço com as amigas, o churrasco com os amigos, o futebol, o vôlei e ter um bom relacionamento com os colegas na empresa.


Neste ponto, quando falamos em qualidade de vida no trabalho, a doutora Manuela sugere não se preocupar somente com a vida do trabalho, mas também fora dela.

“Se você está bem de uma forma global de saúde, você irá identificar as melhores formas de organização, saber o momento de fazer pausas para, quem sabe se alongar, respirar profundamente, corrigir a postura/ergonomia- ou seja, (...) termos esta autopercepção para podermos ampliar o conceito de saúde para todos os aspectos da nossa vida”, explica.



04 de Abril de 2022

Deixe seu comentário